Notícias


Entrevista com Guilherme Lessa (Mogi Basquete)

O IMOT Entrevista de hoje está incrível! Nós conversamos com o jogador do Mogi Basquete Guilherme Lessa, que além de jogar muito e evoluir a cada temporada, também tem uma linda história de superação! Confira esse bate-papo:
  1. Quem é o Guilherme Lessa? Joga basquete desde quando? Onde começou? Qual a sua história? 
Eu sou o Guilherme Lessa, tenho 23 anos, moro com minha irmã e irmão, recém formado em Administração, músico, dedicado ao esporte, esforçado e com conhecimento de funilaria e pintura.

Jogo basquete desde 13 anos e comecei em um projeto social da UMC. Na infância, tive o privilégio de ainda brincar na rua, trabalhava com o meu pai na oficina de funilaria pintura desde pequeno. Ao passar dos anos, meu pai levou eu e o meus irmãos nesse projeto social da UMC onde fui para jogar futebol, mas como o futebol não era minha especialidade, foi aí que fui seguir os passos do meu irmão que fazia basquete nesse projeto, desde então me apaixonei e me apeguei nessa modalidade.

Depois de 1 ano, esse projeto finalizou com o basquete, foi então que conheci o professor Caio Bueris da categoria de base do Mogi basquete em um outro projeto da prefeitura. Caio gostou de mim e foi aí que obtive a primeira conquista com o basquete, onde ele me ofereceu uma bolsa de estudos no Colégio Mello Dante, fiz todo o ensino médio lá.
Com o passar dos anos, fui subindo de categoria e aos 17 anos já tive a oportunidade de participar (treinar) com o time adulto. Depois de 2 anos formado no ensino médio, entrei na Universidade de Mogi das Cruzes, onde me formei em Administração.
Em 2015 tive uma perda muito grande, meu Pai faleceu de leucemia, e após 3 anos, em 2018, perdi minha mãe também pelo câncer (linfoma). Desde então, moro com meus irmãos! Sou grato a Deus pelos pais que me deu, sinto muita falta deles, mas sou feliz pela pessoa que sou hoje, graças à educação que me deram e por tudo que fizeram por mim e pelos meus irmãos. E hoje sou jogador profissional do Mogi basquete.
  1. Quais os desafios de um jovem jogador em um elenco repleto de grandes jogadores como Shammel e JP Batista?
Desafios muito difíceis, mas nada é impossível, procuro meu lugar no time para ajudar e talvez quem sabe, com muita dedicação, me destacar mesmo com grandes jogadores no elenco.
  1. Conta pra gente, rola aquela “zoeira” com os jogadores mais novos? 
As zoeiras sempre tem com os jogadores mais novos (risos), hoje aos meus 23 anos não tem mais tanta zoeira como antes, hoje temos alguns jovens da base que treinam com a gente e as zoeiras ficam todas pra eles! (risos).
  1. Você se inspira em quais jogadores? E por que? 
Me inspiro no Kyrie Irving e Isaiah Thomas, jogadores de baixa estatura e que se destacam muito na NBA.
  1. Qual seu time na NBA e porque?
Boston Celtics, uma escolha pessoal, sempre gostei dos jogadores desse time.
  1. Que conselho você daria para os jogadores mais novos das categorias de base?
Para se dedicarem aos estudos e nunca desistirem dos seus sonhos, me vejo como um exemplo disso, treinava pela manhã, depois do almoço ajudava meu pai na oficina, mais tarde treinava novamente e a noite fazia faculdade. Hoje sou formado e isso é uma conquista muito boa, foram cansativos esses quatro anos mas valeu muito a pena.
Ainda assim, me dedico muito no basquete pois sou pequeno, preciso me esforçar, ainda mais ao lado dos gigantes! Mas quem quer, corre atrás e não desiste, no final, colhe bons frutos!
  1. Pra você, qual a importância do patrocinador para o basquete? 
Os patrocinadores são aqueles que têm um amor pelo esporte, que se agradam em ajudar, pois acreditam que o esporte pode mudar vidas, educar a muitos jovens que às vezes não tem boas influências.
  1. Você já fez algum tratamento no IMOT? 
Nunca precisei fazer tratamento, mas os meus companheiros de time que já fizeram sempre elogiaram, falando sempre sobre o bom atendimento, ótimos profissionais, qualidade e ambiente.
  1. Para você, qual a importância do Centro de Reabilitação para atletas como o do IMOT?
Tem uma importância muito grande, infelizmente as lesões acontecem e os jogadores precisam de um auxílio, e o IMOT nos oferece um grande trabalho para ajudar nessas horas, nos dando ótimos tratamentos com grandes resultados.




DEPOIMENTOS
Pronto
Atendimento